30/12/2014

Arqueologia no cinema 7



Realiza-se mais um ciclo de Arqueologia no cinema durante o Mês de Janeiro. A não perder

10 grandes temas da Pré-História por Luís Raposo


EDZER de Benvindo Fonseca e Batucadeiras Netas di Cabral

Realizou-se no dia 14 de Dezembro, perante numerosa assistência, que encheu totalmente o Salão Nobre do Museu Nacional de Arqueologia, o espectáculo EDZER, de Benvindo Fonseca, com a participação especial das Batucadeiras Netas di Cabral e bailarinas 



Antes do início do espectáculo tomaram a palavra o director do MNA, António Carvalho, que contextualizou este evento com a exposição África Reencontrada, Manuela Tavares, da Associação Welcome People and Arts, e o Presidente do Instituto de investigação Científica Tropical, o Professor Doutor Jorge Braga de Macedo.



Regista-se ainda a presença da Dra. Luísa Black, Consultora do Conselho da Europa, do Comandante Pedro Miranda de Castro, da AWPA, do Dr. Hélder Oliveira, Presidente da Fundação Portugal/África, da embaixatriz Isabel Monteiro, do Clube das Embaixatrizes e Presidente do grupo de Amigos do Museu do Oriente, e a presença de algumas personalidades do meio artíistico, como Sara Tavares, Patrícia Bull,  e Ana Catarina Afonso.


Esta atividade teve o apoio da equipa portuguesa do Projeto EMEE -  Eurovision Museums Exhibiting Europe.

15/12/2014

Peça do mês de Dezembro

O Museu Nacional de Arqueologia (MNA) possui um acervo de muitos milhares, na verdade centenas de milhares, de objectos. Provêm eles de intervenções arqueológicas programadas ou de achados fortuitos, tendo sido incorporados por iniciativa do próprio Museu ou por depósito ou por doação de investigadores e coleccionadores.

Todos os períodos cronológicos e culturais, e também todos os tipos de peças, desde a mais remota Pré-História até épocas recentes, neste caso com relevo para as peças etnográficas, estão representados no MNA. Às colecções portuguesas acrescentam-se as estrangeiras, igualmente de períodos e regiões muito diversificadas.

O MNA é ainda o museu português que possui no seu acervo a maior quantidade de peças classificadas como “tesouros nacionais”.

Existe, pois, sempre motivo de descoberta nas colecções do Museu Nacional de Arqueologia e é esse o sentido da evocação que fazemos, em cada mês que passa.   

PEÇA DO MÊS COMENTADA

A Maquineta "Adoração dos Pastores" - Nº Invº 7 286
Presépio atribuído a Machado de Castro

A apresentar por Alexandre Pais, Elsa Murta e Joana Campelo

20 de Dezembro de 2014, ás 15h


O presépio que integra a colecção do Museu Nacional de Arqueologia é uma peça fundamental para estabelecer uma das vias destes móveis após o ocaso do brilhante tempo barroco, em que pontificou, entre outros, o génio criador de António Ferreira e Joaquim Machado de Castro. A erudição e lógica das imagens escultóricas que marcam presença no remanescente dos presépios setecentistas, por vezes herdeiras de sentidos ainda ligados a tradições medievais, estavam condenadas numa sociedade em convulsão e que tendia para uma crescente laicização de que a extinção das Ordens religiosas é uma das consequências mais evidentes. Desaparecida uma das clientelas essenciais do presépio, móvel litúrgico sazonalmente exposto para contemplação piedosa e celebração do Nascimento de Jesus, a sua prática permaneceu na tradição dos costumes populares e nas figuras feitas a partir de moldes, vendidas em feiras e lojas por todo o país. Algumas olarias começaram a investir neste tipo de produção, sobressaindo em Lisboa a que se localizava na Calçada da Bica Pequena, de onde provêem alguns dos elementos presentes no presépio do Museu de Arqueologia. No entanto, ao contrário do que sucedeu com grande parte das peças com origem em unidades de produção mais populares, entretanto perdidas na voragem do tempo, estas encontraram abrigo numa curiosíssima maquineta em forma de castelo muralhado (provavelmente reutilizada a partir de outra função), que dota o conjunto de uma inesperada evocação de casa de bonecas. A estética subjacente ao todo que integra esta invulgar peça remete para uma obra do último quartel do século XIX. Adaptada a um gosto mais aburguesado do que aquele que caracterizara a clientela que outrora observara os presépios do “período de ouro”, demonstrando a persistência de manifestações que ultrapassam o próprio sentido religioso que se encontra na sua génese e ganham o carácter de um símbolo, neste caso o da unidade familiar como base da estrutura social.

Museu Nacional de Arqueologia. Entrada Livre.



Conversas a bordo - transmissão ao vivo via internet



O Museu Nacional de Arqueologia e o Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática da Direcção Geral do Património Cultural, promovem o Ciclo de Debates "Conversas a Bordo", dedicado a esta ciência e dirigido a todos os especialistas, profissionais e público interessado.

No dia 16 de Dezembro, às 18h, o tema de debate será "Detectores de metais e arqueologia", com os oradores Carlos Fabião (FL/UL), Isabel Soares e Vera Freitas (Museu de Portimão/C. M. Portimão), João Pimenta (C. M. Vila Franca de Xira) e José Sousa (IPSIIS).

Pode acompanhar a emissão via internet, através do seguinte link

11/12/2014

Espectáculo EDZER de Benvindo Fonseca



No âmbito da exposição "África reencontrada: o ritual e o sagrado em duas colecções públicas portuguesas", a AWPA (Associação Welcome People and Arts) em parceria com Museu Nacional de Arqueologia apresentam o espectáculo "EDZER" de Benvindo Fonseca, com a participação especial das Batucadeiras Netas di Cabral.

Esta atividade tem o apoio da equipa portuguesa do Projeto EMEE -  Eurovision Museums Exhibiting Europe.

Domingo, 14 de Dezembro às 18h:00 

Devido à capacidade limitada da sala aconselha-se a reserva antecipada para o seguinte e-mail: welcome.reservas@gmail.com

Nota: parte da receita será doada para à população da Chã da Caldeira na Ilha do Fogo.

10/12/2014

Exposição do Presépio "Adoração dos Pastores"


Após restauro profundo que restituiu a plenitude da sua inicial exuberância, vai ser exposto no átrio principal do Museu Nacional de Arqueologia o raro presépio oitocentista, vulgarmente conhecido como maquineta "Adoração dos Pastores", que integra o acervo do museu.

Na ocasião será proferida uma conferência alusiva por Joana Campelo e Elsa Murta, restauradoras, e Alexandre Pais, historiador de arte e porventura o mais reputado estudioso português deste tipo de peças. Nas suas palavraso exemplar do MNA constitui um "conjunto notável", sendo o "último dos grandes presépios conhecidos, realizado no século XIX" e documentando por isso uma extensão notável da tradição dos presépios "de tipo Machado de Castro".


EXPOSIÇÃO DO PRESÉPIO

"ADORAÇÃO DOS PASTORES"

Dia 20 de Dezembro de 2014 às 15:00

Sinta-se convidado e venha celebrar connosco a Quadra Natalícia

04/12/2014

Lançamento de livro de Renato Gurgel

No próximo dia 6 de Dezembro, pelas 16h:00, será lançado no Museu Nacional de Arqueologia, o livro da autoria de Renato Gurgel Pereira, "Gramática Fundamental de Egípcio Hieroglífico - Para o estudo do estágio inicial da língua egípcia (de 3 000 a 1 300a.C.)".




A obra será apresentada por José das Canceias Sales (Universidade Aberta) e Maria Helena Trindade Lopes (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - Universidade Nova de Lisboa).

03/12/2014

Conversas a Bordo - Transmissão ao vivo via internet



Na próxima sessão, a decorrer no dia 4 de Dezembro, o tema será "Arquivos e documentação histórica".

Participarão do debate André Teixeira (CHAM/UNL), Patrícia Carvalho (CHAM/UNL) e Paulo Alexandre Monteiro (IAO/UNL).

Mais uma vez se recorda que o debate poderá ser seguido ao vivo aqui.


01/12/2014

Primeiros Estudos de Públicos em Museus Nacionais

A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), com o apoio mecenático da Fundação Millennium bcp e da ONI, e com a consultoria técnico-científica do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia – Instituto Universitário de Lisboa, realiza o primeiro Estudo de Públicos de Museus Nacionais.



Tendo como objetivo principal conhecer os públicos de 14 museus tutelados pela Direção-Geral do Património Cultural (de cada museu e no conjunto), este projeto é o primeiro estudo realizado no país que compreende uma amostra representativa dos visitantes de museus nacionais. 

Ao longo de 12 meses,  em simultâneo nos 14 museus, serão inquiridos cerca de 30.000 visitantes através do preenchimento de um questionário quadrilingue on-line, em computadores colocados para o efeito em cada museu. 

Os resultados do estudo serão fundamentais para a futura definição de estratégias para captação e fidelização dos visitantes dos museus tutelados pela DGPC, bem como para a implementação de políticas culturais que melhorem o acesso à cultura, aos museus e às suas coleções. 

Pretende-se que o estudo venha a ser uma referência nacional na área disciplinar dos estudos de públicos, colmatando uma lacuna e um atraso de Portugal em relação a outros países europeus e ocidentais, e poderá vir a constituir-se como matriz para implementação no universo dos 142 museus da Rede Portuguesa de Museus. Suscitará, certamente, o aprofundamento da investigação académica sobre as características e os comportamentos dos visitantes dos museus em Portugal. 

A recolha de informação terá início no dia 3 de dezembro de 2014 e conclusão em dezembro de 2015.

26/11/2014

Conversas a Bordo - Transmissão ao vivo via internet



Esta quinta feira realiza-se no MNA mais uma sessão do ciclo de debates "Conversas a Bordo", com a participação de António Neves Correia (Jurista/Oficial de Marinha), Paulo Alexandre Monteiro (IAP/UNL) e Gonçalo Carvalho.

Esta sessão é subordinada ao tema «Caça ao Tesouro» ou arqueologia comercial.

Relembramos que o debate podera ser seguido ao vivo, acedendo ao seguinte link.

25/11/2014

Semana da Ciência e Tecnologia



O MNA associa-se às comemorações da semana da Ciência e Tecnologia promovendo uma série de actividaes: Já no dia 27 de Novembro realizam-se duas atividades: 

- Uma visita às Reservas do MNA, em que se convidam os participantes a descobrir as reservas do Museu. 

- Uma visita denominada Um Museu, muitos serviços em que se proporciona aos visitantes uma oportunidade para conhecerem os bastidores do museu e diferentes serviços que o museu oferece. 

No dia 29 de Novembro, sábado os visitantes podem participar nas seguintes atividades:

- O Museu Nacional de Arqueologia e o Laboratório de Conservação e Restauro, em que podem conhecer com maior pormenor o trabalho que se desenvolve no laboratório entre as 15h e as 17h 

- O MNA, os Objectos Arqueológicos e as Novas Tecnologias, em que os visitantes são convidados a a descobrirem e a interagirem com os objectos arqueológicos  através de imagens virtuais de objectos arqueológicos usando ferramentas baseadas em tecnologias web 2.0 (facebook e twitter) entre as 15h e as 17h. 


 Entrada Livre nas atividades!

 Venha ao MNA, esperamos por si! 

Traga a sua família para aprendermos todos como se faz ciência!

24/11/2014

Convite para o lançamento de 14 Monografias

O Diretor Geral do Património Cultural, a Diretora Regional da Cultura do Alentejo. o Presidente do Conselho de Administração da EDIA e o Diretor do Museu Nacional de Arqueologia, convidam para o lançamento das 14 Monografias da 2ª série da coleção MEMÓRIAS d'ODIANA, dia 5 de Dezembro pelas 16.00h, no Museu Nacional de Arqueologia.

As obras serão apresentadas por Luís Raposo e José d'Encarnação




21/11/2014

Concurso de fotografia

Até 31 de Dezembro do corrente ano, decorre o Concurso de Fotografia "As rotas de Frei Manuel do Cenáculo, iniciativa do Museu Nacional de Arqueologia.




Consulte aqui o regulamento do concurso

19/11/2014

Concurso de Jovens Cenógrafos









REGULAMENTO
CONCURSO DE JOVENS CENÓGRAFOS

TERMOS GERAIS E CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO
            Através do registo de inscrição, o participante concorda com os termos e condições gerais, bem como com os regulamentos sobre direitos de autor e elegibilidade do EMEE - Concurso de Jovens Cenógrafos.

1.       Destinatários
            Podem participar no EMEE - Concurso de Jovens Cenógrafos estudantes internacionais e jovens profissionais de todas as disciplinas criativas, bem como de museus e de estudos culturais. A participação não é restrita a campos ou universidades em particular. A participação é gratuita.
            Aceitam-se participantes pertencentes a uma das seguintes categorias:
            1. Alunos de Licenciatura ou de Mestrado, sendo necessário um certificado de matrícula aquando do registo de inscrição;
            2. Jovens profissionais:
            a) Os graduados que completaram o grau e receberam o diploma há menos de dois anos, relativamente ao prazo final de inscrição no concurso (28/11/2014). No ato da inscrição será exigido comprovativo da data do diploma de graduado.
            b) Jovens designers com estágio sem grau académico que não tenham mais do que 28 anos à data do fim do prazo de inscrição (28/11/2014). No ato da inscrição será exigido o comprovativo da data de nascimento.
            Encoraja-se a participação de equipas interdisciplinares e de cooperação. Em caso de equipas com membros de diferentes instituições de ensino, cada membro do grupo tem de ser identificado durante a inscrição. Todos os membros devem adequar-se a uma das categorias acima mencionadas (estudantes de Licenciatura / Mestrado ou jovens profissionais), para serem elegíveis para o concurso. Caso um dos participantes não se qualifique dentro destas diretrizes, todo o grupo é excluído da competição.
            Aceitam-se grupos de trabalho trans-disciplinares até um máximo de 6 membros. Se os membros da equipa vierem da mesma área disciplinar, aceitam-se até um máximo de 3 membros por grupo de trabalho. As equipas podem apresentar apenas uma proposta em conjunto e variações do conceito não são aceites. Mais detalhes em: www.emee-young-scenographers-contest.eu/index.php

2.      Registo e inscrição
            A língua de competição é o inglês. Os participantes têm de apresentar todos os textos em inglês.
            Os participantes podem enviar um projeto de semestre, de fim de curso ou outros projetos de design e trabalhos livres que tenham sido concluídos entre junho de 2014 e janeiro de 2015. A inscrição só pode ser feita online, no website do EMEE - Concurso de Jovens Cenógrafos , de 01 de setembro a 28 de novembro. O registo a inscrição são gratuitos.
            Os documentos da inscrição têm de ser submetidos através do website http://www.emee-young-scenographers-contest.eu/
            Inscrições que não estejam em conformidade com as exigências da competição podem ser rejeitadas. A possibilidade de recurso a ação legal está excluída. A decisão do júri e a avaliação dos trabalhos não podem ser contestadas e não precisam de ser clarificadas, sendo a possibilidade de contestação em tribunal excluída. Apenas a decisão do júri sobre a atribuição do prémio será válida.
            Os participantes concordam em fornecer o seguinte material no ato da inscrição / submissão:
            - Relatório descritivo;
            - Pequeno resumo;
            - Folhas de apresentação;
            - Imagens (apenas uma breve lista / projetos indicados);
            - Apresentações presenciais ou apresentações tridimensionais (só para os vencedores / projetos premiados).

3.      Exposição
            Os resultados do concurso serão apresentados:
            1. Nos websites do EMEE - Concurso de Jovens Cenógrafos  e do projeto EMEE;
            2. Na exposição da cerimónia de entrega de prémios inserida no Design Monat Graz 2015, na Áustria;
            3. Numa exposição itinerante pela Europa e em todos os "Eurovision Lab".
            Os vencedores concordam em participar em todos os formatos de exibição acima referidos. Os candidatos indicados que sejam finalistas concordam em participar na exposição on-line e na exposição de apresentação da cerimónia da entrega de prémios. O promotor do concurso tem o direito de fazer uma seleção a partir dos trabalhos nomeados para as exposições correspondentes. Os trabalhos vencedores serão apresentados de forma mais detalhada do que as restantes contribuições selecionadas. Ao entrar no concurso, os vencedores concordam em fornecer uma apresentação tridimensional de sua proposta para a exposição da cerimónia de entrega dos prémios e para a exposição itinerante.

4.      Direitos de autor
            Uma das pré-condições é que os autores (participantes) não tenham restrições de direitos de autor relativamente ao projecto apresentado.
            Dentro do contexto do trabalho, os participantes garantem a autoria, oferecendo ao EMEE – Concurso de Jovens Cenógrafos uma licença mundial, isenta de direitos de autoria e não exclusiva, sem limitações em termos de tempo ou território para que se possa publicar, multiplicar, duplicar, difundir, expor, exibir publicamente, enviar, publicar on-line e para usar de qualquer outra forma física ou não-física.
            A entidade que oferece o prémio é, portanto, autorizada a dar sub-licenças a terceiros. Os participantes garantem que, em caso de utilização de materiais de terceiros, os respectivos proprietários dos direitos de autor concordaram com a utilização desses materiais por parte da entidade que oferece o prémio, de acordo com os termos e condições previamente mencionados e para os fins acima referidos.


            Assim, o participante assume a responsabilidade perante todas as reclamações ou reivindicações de terceiros, incluindo quaisquer custos ou despesas judiciais, bem como os custos de compensação e importâncias pagas pela entidade que oferece o prémio caso esta tenha que solucionar qualquer reclamação. O participante garante que nenhum direito de terceiros foi violado. O participante é obrigado a fornecer os dados para impressão, se o seu projeto foi seleccionado. A fim de esclarecer as condições dos dados, entrar-se-á em contacto com os vencedores após a decisão ter sido tomada. Além disso, o participante não pode influenciar o conteúdo ou forma de apresentação do seu trabalho no catálogo.

Maria Luísa Blot. Em Memória de Uma Arqueóloga. "Não tenho medo da morte"








Clicar nas imagens com o botão direito para abrir num novo separador

18/11/2014

Visita de técnicos da área do património da Câmara Municipal de Viana Castelo ao Museu Nacional de Arqueologia

Acompanhados pela Vereadora da Cultura, Educação e Turismo da Câmara Municipal de Viana do Castelo, Maria José Guerreiro, um grupo de quinze técnicos da área do património e dos museus da referida autarquia visitaram o Museu Nacional de Arqueologia.

A visita, embora tivesse como objectivo a observação in loco da piroga monóxila, proveniente do Lugar de Passagem, Lanheses, Geraz do Lima, Viana do Castelo, que integra a exposição temporária "O Tempo Resgatado ao Mar", incidiu sobre a totalidade da referida exposição.

A visita foi conduzida pelo Comissário Científico da exposição, Adolfo Silveira e pela Coordenadora dos Serviços Educativos do MNA, Maria José Albuquerque.







Conversas a bordo - Tramsmissão ao vivo via internet



Na próxima quinta-feira, dia 20 de Novembro, decorre mais uma sessão do Ciclo de Debates "CONVERSAS A BORDO", subordinado ao tema "Planeamento e condições de realização dos trabalhos arqueológicos. 

Nesta sessão intervirão Augusto Salgado (CINAV), Brígida Batista (Arqueóloga), José Bettencourt (CHAM/UNL) e Tiago Fraga (CHAM/UNL).

Uma vez mais o debate será transmitido via internet e poderá segui-lo clicando no seguinte link.

11/11/2014

Conversas a bordo - Tramsmissão ao vivo via internet


Na próxima quinta-feira, dia 13 de Novembro, decorrerá neste museu mais uma sessão das "Conversas a Bordo". Nesta sessão, subordinada ao tema "O Novo Património Arqueológico", intervirão Jorge Russo (CINAV), Fátima Claudino (UNESCO), Paulo Costa (IHC/UNL) e Pedro Caleja (Subnauta).

A sessão terá novamente transmissão em directo via internet, que poderá ser acompanhada seguindo o seguinte link.

06/11/2014

Conversas a bordo - Transmissão ao vivo via internet

No âmbito da realização do Ciclo de Debates “Conversas a Bordo - A Arqueologia Náutica e Subaquática em Portugal”, organizado pelo Museu Nacional de Arqueologia e o Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática da Direcção Geral do Património Cultural, surgiu a ideia de disponibilizar os debates a terceiros que por motivos de distância ou indisponibilidade não podem estar presentes.

Assim, vimos por este meio informar que hoje será realizada uma sessão experimental de transmissão em directo e gravação no debate dedicado ao “Inventário e Carta Arqueológica”. Gostaríamos de salvaguardar que as condições técnicas existentes condicionam a transmissão da imagem do debate nas melhores condições, assegurando-se no entanto uma boa fiabilidade na transmissão do som.

A gravação do debate e posterior visualização têm estes problemas resolvidos garantindo que seja vista de forma normal.

A plataforma onde se irá transmitir o debate também é interactiva, permitindo a participação de quem está ligado com os oradores e com a organização do Ciclo. Desta forma, para poder assistir em directo entre em http://ustre.am/1isEo (a imagem pode demorar a aparecer). Em relação à gravação esta será posteriormente colocada na página da internet da DGPC.





31/10/2014

Conferência "O Projeto de Extensão da Plataforma Continental Portuguesa"



O Museu Nacional de Arqueologia e o Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática, da Direção-Geral do Património Cultural, promovem o Ciclo de Debates Conversas a Bordo, dedicado a esta ciência e dirigido a todos os especialistas, profissionais e públicos interessados.

Hoje, dia 31 de Outubro, Sexta-feira, às 18h00, será realizada a conferência “O Projeto de Extensão da Plataforma Continental Portuguesa” pelo Comandante Aldino Santos de Campos, responsável da Estrutura de Missão da Extensão da Plataforma Continental.

27/10/2014

Peça do mês de Novembro

O Museu Nacional de Arqueologia (MNA) possui um acervo de muitos milhares, na verdade centenas de milhares, de objectos. Provêm eles de intervenções arqueológicas programadas ou de achados fortuitos, tendo sido incorporados por iniciativa do próprio Museu ou por depósito ou por doação de investigadores e coleccionadores.

Todos os períodos cronológicos e culturais, e também todos os tipos de peças, desde a mais remota Pré-História até épocas mais recentes, neste caso com relevo para as peças etnográficas, estão representados no MNA. Às colecções portuguesas acrescentam-se as estrangeiras, igualmente de períodos e regiões muito diversificadas.

O MNA é ainda o museu português que possui no seu acervo a maior quantidade de peças classificadas como "tesouros nacionais".

Existe, pois, sempre motivo de descoberta nas colecções do Museu Nacional da Arqueologia e é esse o sentido da evocação que fazemos, em cada mês que passa.


PEÇA DO MÊS COMENTADA
Estátua de Guerreiro E 3398 (cat.24)
Outeiro de Lezenho, Boticas, Vila Real

A apresentar por Thomas Schattner, dia 8 de Novembro de 2014, às 15h





A estátua de guerreiro, sobre o qual se centra a nossa atenção, pertence ao grupo tipológico dos guerreiros lusitano-galaicos, que estão entre os maiores monumentos que o MNA possui.

Este grupo tem vindo ultimamente a ganhar novo protagonismo na investigação devido à ligação que evidentemente tem com estátuas do centro da Europa, pertencentes à escultura monumental celta, evidenciando assim conexões através de toda a Europa em época precoce. Os achados sensacionais destas esculturas celtas, que se conheceram também através da imprensa internacional, tal como as estátuas em tamanho natural do Glauberg, no país de Hesse/Alemanha ou o "Homem de Hirschlanden" bem como o "Guerreiro de Capestano" (Alemanha/Itália) propulsionaram a investigação e colocaram o tema da escultura monumental celta novamente no centro das atenções. Há perguntas sobre a sua difusão, sobre a formação de grupos regionais (estilos regionais), sobre os contextos, as dependências e nem por último, sobre os critérios para uma datação.

Trata-se de figuras masculinas de pé em tamanho sobrenatural feitas de granito grosso. São caracterizadas como guerreiros através do escudo redondo que sustêm à sua frente, da espada curta, bem como do capacete apertado. A base da figura é formada por um plinto ou zócalo. Os braços mantêm-se junto ao corpo, as pernas esticadas. Usam uma vestimenta curta, tipo camisa que acaba por cima dos joelhos. No pescoço trazem um anel aberto com as pontas engrossadas (torques). A expressão da cara é imutável. Além destes paralelismos formais com a escultura céltica, existem outros como a erecção da estátua ou a colocação das estátuas em pares.

Realmente surpreendente é a execução uniforme, tanto quanto se refere ao seu tamanho, como à sua difusão, uma vez que se encontram no Norte de Portugal e na Galiza numa região pequena a norte do rio Douro até Pontevedra.

Por diversas razões, as estátuas não receberam no passado a atenção científica que lhes cabe. Depois da primeira menção feita por Emil Hübner, na Archäologische Zeitung de 1861, a investigação arqueológica só começou a dedicar-se a elas de uma forma efémera a partir de princípios do século XX. A partir daí formou-se uma opinião que as data em época romana, sobretudo devido às inscrições latinas, que se encontram em alguns dos mais dos 30 exemplares conhecidos, e que foram o motivo porque Hübner se interessou pelos guerreiros lusitano-galaicos. No entanto, recentes observações permitem uma maior precisão na datação, pelo que se mostra claramente a sua origem pré-romana e parcial reutilização por meio da aplicação das mencionadas inscrições em época romana.


Museu Nacional de Arqueologia - religiões da Lusitânia. Entrada Livre

O Projecto de Extensão da Plataforma Continental Portuguesa

No âmbito do Ciclo de Debates "Conversas a Bordo", realizar-se-á a conferência sobre O Projecto de Extensão da Plataforma Continental Portuguesa.

A conferência, a cargo do Doutor Aldino Santos de Campos, terá lugar no Museu Nacional de Arqueologia, na próxima sexta-feira, dia 31 de Outubro, pelas 18h:00

A entrada é livre.



24/10/2014

Sub-director Geral dos Museus Estatais de Espanha, Enrique Varela, visita exposição O Tempo Resgatado ao Mar

À margem do 8º Encontro Ibero-Americano de Museus, Enrique Varela, sub-director Geral dos Museus Estatais do Ministério da Educação, Cultura e Desporto, acompanhado da Conselheira Técnica Ana Azor e do Director do Departamento de Museus, Conservação e Credenciação da Direcção Geral do Património Cultural, Manuel Oleiro, visitou o Museu Nacional de Arqueologia para ver a exposição “O Tempo Resgatado ao Mar”.

A delegação foi recebida pelo Director do Museu, António Carvalho e Comissários Científico e Executivo da exposição, respectivamente Adolfo Silveira e Maria Amélia Fernandes.

Esta deslocação ao Museu Nacional de Arqueologia tinha como propósito, em primeiro lugar, a realização de uma visita detalhada à exposição com o intuito de equacionar uma eventual itinerância em Espanha em 2015, tendo constituído também a primeira oportunidade para se agradecer, presencialmente, a título institucional a fundamental colaboração do Laboratório do ARQUA – Museu nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática de Cartagena, na conservação da piroga monóxila do Rio Lima, peça icónica da exposição, bem como dos restantes materiais orgânicos em madeira que se apresentam.

Foram ainda analisadas outras formas de colaboração entre o Museu Nacional de Arqueologia e outros Museus de Espanha, tais como a participação na exposição ibérica “Lusitânia Romana – A origem de dois povos” organizada em estreita colaboração com Museu Nacional de Arte Romano, Mérida.

No domínio dos programas de cooperação internacionais na área do Património Cultural, de ambas as partes houve uma clara intenção de tudo fazer para manter a colaboração no domínio da conservação de acervos náuticos subaquáticos recolhidos em águas portuguesas e que se encontram à guarda da DGPC, numa estreita articulação com o ARQUA.







22/10/2014

Ciclo de debates "Conversas a Bordo"

No dia 23 de Outubro, Quinta-feira, às 18h00, o tema de debate será "Trabalhos arqueológicos preventivos no âmbito da minimização de impactes" sob a responsabilidade de António Pascoal/Luís Sebastião (IST/UL), Cândida Simplício (IAS), José Bettencourt (CHAM/UNL) e Pedro Barros (CNANS/DGPC).


21/10/2014

PRÁTICAS SIMBÓLICAS ENTRE A VIDA E A MORTE NA PRÉ-HISTÓRIA

CURSO DE INTRODUÇÃO

João Senna-Martinez

Dias 24 e 25 de Outubro, 2014

Museu Nacional de Arqueologia

Clique na imagem com o botão direito do rato para
 ver a imagem ampliada  num novo separador




Inscrição/Lugares limitados
Informações/Inscrições
Adília Antunes

Tel: 21 362 00 00 

E-mail: grupoamigos@mnarqueologia.dgpc.pt

20/10/2014

AUGUSTO, EM PRIVADO E EM PÚBLICO

CURSO DE INTRODUÇÃO

Álvaro Figueiredo

Dias 7-8 de Novembro, 2014, das 10h00 às 17h30, Museu Nacional de Arqueologia



Augusto, o primeiro imperador romano e um dos personagens mais importantes da história da humanidade, faleceu há 2000 anos, em Nola, no dia 19 de Agosto do ano 14 d.C. Quando César foi assassinado, nos Idos de Março de 44 a.C., poucos poderiam prever que o seu sobrinho-neto e herdeiro, Gaio Octávio, um jovem de dezoito anos, pouco conhecido e de frágil saúde, se tornaria treze anos mais tarde, ao derrotar Marco António e Cleopatra em Actium, o líder absoluto do Estado Romano. 

Durante o decorrer deste curso que terá a duração de dois dias, teremos oportunidade de examinar os vários episódios da vida daquele a quem o Senado conferiu o título de Augusto, desde o seu nascimento até à sua deificação póstuma. Teremos ainda oportunidade de analizar o conjunto de vicissitudes e desafios que enfrentou, os reversos e os sucessos que contribuíram para determinar a vida pública e privada deste homem. Através do estudo das fontes literárias greco-romanas sobre a vida de Augusto, da arqueologia, arte e arquitectura, e do estudo da numismática, iremos tentar descobrir quem era este homem que introduziu mudanças tão significativas e profundas em Roma e no mundo mediterrânico. Como utilizava a sua autoridade no exercício do poder político, e porque se reinventava constantemente? Quem era Augusto, o homem privado, no seu relacionamento com os membros da sua família? E quem era esta família, a dos Julio-Claudios, que viria a governar Roma até à morte de Nero, em 68 d.C.? 

Durante este dois dias procuraremos compreender Augusto, o homem, a sua obra e o seu tempo, um indivíduo extraordinário cuja visão e determinação política contribuíram para transformar o Estado da velha República no Império Romano.


Inscrição/lugares limitados
Informações/Inscrições
Adília Antunes
Tel. 21 3620000
E-mail: grupoamigos@mnarqueologia-ipmuseus.pt

13/10/2014

Peça do mês de Outubro

O Museu Nacional de Arqueologia (MNA) possui um acervo de muitos milhares, na verdade centenas de milhares de objectos. Provêm eles de intervenções arqueológicas programadas ou de achados fortuitos, tendo sido incorporados por iniciativa do próprio Museu ou por depósito ou por doação de investigadores e coleccionadores.

Todos os períodos cronológicos e culturais, e também todos os tipos de peças, desde a mais remota Pré-História até épocas mais recentes, estão representados no MNA. Às colecções portuguesas acrescentam-se as estrangeiras, igualmente de períodos e regiões muito diversificadas.

O MNA é ainda o museu português que possui no seu acervo a maior quantidade de peças classificadas como "tesouros nacionais".
Existe, pois, sempre motivo de descoberta nas colecções do Museu Nacional de Arqueologia e é esse o sentido da evocação que fazemos, em cada mês que passa.

PEÇA DO MÊS COMENTADA
Forma de açúcar Nºs Invº DGPC.CNANS.RAVB 81.E3; RAVB 93/01A
Ria de Aveiro B/C

A apresentar por André Teixeira (CHAM/UNL), em 18 de Outubro de 2014 às 15h




O açúcar foi o grande motor da expansão portuguesa no Oceano Atlântico entre os séculos XV e XVII. Experimentado com sucesso nos arquipélagos da Madeira e de São Tomé e Príncipe, cultivado também nos Açores e em Cabo Verde, adquiriu um significado particularmente expressivo no imenso Brasil. Transportado a partir do Mediterrâneo para estes espaços revelados pelos Descobrimentos, foi o grande impulsionador do povoamento daqueles territórios, já que o seu cultivo e exportação para a Europa assegurava lucros elevados. Outros povos europeus seguiram os portugueses na plantação da cana sacarina, desde logo os vizinhos ibéricos, tanto nas Canárias, como nas Antilhas. Enfim, a generalização do açúcar nos mercados europeus acarretou profundas mudanças nos hábitos de consumo alimentar.

O estudo desta temática tem-se baseado essencialmente nos testemunhos escritos. No entanto, mais recentemente, ganhou interesse a investigação arqueológica de antigos sítios de engenho do açúcar, unidades produtivas que associavam o cultivo, a transformação e a preparação para a comercialização. Neste âmbito surgiram as denominadas formas de açúcar, recipientes cerâmicos essenciais no processo de purga deste produto, reconhecidas neste tipo de contextos. Igualmente relevante foi a sua descoberta no território continental português, em locais que parecem ter fornecido os centros açucareiros do Atlântico deste tipo de produção oleira. É um destes casos em que se enquadra a peça em análise, ponto de partida para esta viagem pela arqueologia da expansão portuguesa no Atlântico.


Museu Nacional de Arqueologia - Sala Bustorff. Entrada Livre

03/10/2014

Noite Europeias dos Investigadores 2014

Na Noite Europeia dos Investigadores, subordinada ao tema "CITSCI - CITIZEN SCIENCE, estabelecer ligações entre a investigação e a sociedade em Portugal", o Museu Nacional de Arqueologia esteve representado pelo seu Laboratório de Conservação e Restauro de Materiais Arqueológicos.

Dessa representação constou a recriação de um laboratório de conservação e restauro com algumas das etapas mais representativas da sua actividade, onde os visitantes puderam participar, e a apresentação de três posters:

- Ana Beatriz da Luz Inácio - Conservação e Restauro da Colecção Etnográfica do Museu Nacional de Arqueologia;

- Ana Rita de Abreu Macedo Lopes Carvalho - Colecção Etnográfica de Instrumentos Musicais do Museu Nacional de Arqueologia;

- Rute Correia Chaves - Conservação e Restauro de Cerâmica Arqueológica em Marrocos (Protocolo DGPC/MNA com a UNL/FCSH/CHAM).



Apresentação dos posters

Apresentação dos posters

Observação de uma moeda à lupa binocular

Observação de uma moeda à lupa binocular

Observação de uma moeda à lupa binocular

Observação de uma moeda à lupa binocular e montagem de peça cerâmica